[Entrevista] Professor Carlos Conte Jr, coordenador NAL

No dia 19 de Junho de 2019 o professor Carlos Conte oficializava a criação do Núcleo de Análises de Alimentos. Com uma proposta inovadora e de importância para a pesquisa e desenvolvimento de conhecimento na área de alimentos. O NAL nesse primeiro ano se estruturou e por conta dos eventos desde ano atrasou a finalização de algumas obras, mas o trabalho não parou.

Em um ano o NAL formou 10 alunos de pós-graduação, firmaram parceria com a Harvard School of Engineering and Applied Sciences (USA), ganharam 3 financiamentos para pesquisas, participaram de 4 eventos, fizeram projeto de extensão, publicou 44 artigos e citados 811 vezes.

Entrevistamos o coordenador do NAL, professor doutor Carlos Conte Jr. Na entrevista ele nos conta um pouco de sua trajetória, sobre os objetivos do NAL e o que podemos esperar do Núcleo nos próximos anos.

1 – Como começou seu interesse na área de alimentos? 

Eu despertei meu interesse na área de alimentos durante a minha graduação em Medicina Veterinária na Universidade Federal Fluminense. Na ocasião, eu tive a oportunidade de fazer iniciação científica no Departamento de Tecnologia de Alimentos sob a orientação do Professor Sergio Borges Mano. Naquele momento consegui enxergar a importância e a inserção do médico veterinário não somente na produção animal, mas também na análise e na garantia da qualidade dos alimentos. Nesse período, eu também despertei uma imensa afinidade e interesse pela pesquisa cientifica voltada para alimentos. Um pouco mais tarde, ingressei no mestrado acadêmico no Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos aqui do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro sob orientação do Professor Joab Trajano da Silva e tive a certeza de que a área de alimentos era onde eu gostaria de focar minha carreira acadêmica e profissional.

2 – Como o NAL surgiu?

O NAL surgiu do interesse em juntar o nosso aprendizado oriundo da pesquisa científica com a necessidade de oferecer serviços à sociedade na área de controle de qualidade de alimentos. O NAL vai ser capaz de nos fornecer uma estrutura técnico-cientifica de apoio para continuarmos melhorando ainda mais nossa produção científica tanto em quantidade e qualidade, além de nos permitir difundir esse conhecimento sob a forma de prestação serviços para instituições públicas e privadas de ensino, pesquisa, além do setor de serviços e a indústria.  

3 – Como ele vai funcionar e que estruturas vai utilizar?

O NAL vai  estar estruturado nas instalações do LADETEC de forma a aproveitar seus recursos estruturais e sua logística da forma mais eficiente e precisa possível. Isso permitirá a nossa equipe agilizar a produção científica em todos os aspectos. Nós também iremos estruturar nossa equipe em grupos menores de forma que cada linha de prestação de serviço tenha os colaboradores com a expertise mais adequada para garantimos qualidade em nossas análises e resultados laboratoriais.    

4 – Qual a importância de ter um núcleo de alimentos no Rio de Janeiro?

Ao meu ver, a grande importância em se ter um Núcleo de Análises de Alimentos é o fato da prestação de serviços e a pesquisa científica estarem alinhadas e consolidadas sob uma mesma estrutura. Esse é um grande diferencial em comparação com outros centros de análises de alimentos no Rio de Janeiro. Tenho certeza de que a prestação de serviços baseada na experiência prévia adquirida em nossas linhas de pesquisa e produção científica vai nos permitir estar sempre atualizado e oferecendo um serviço sólido com bastante embasamento científico.

5 – E para a formação dos alunos, o que significa este núcleo?

Nosso grupo multidisciplinar acredita que a ciência e a pesquisa científica fazem parte dos pilares do desenvolvimento de qualquer país ou nação. Nos queremos formar futuros alunos e pesquisadores capazes de irem além da fronteira do conhecimento e serem descobridores de novos conceitos muito mais do que apenas repetidores do conhecimento atual. O NAL vai nos permitir acelerar o processo de formação crítica dos nossos alunos e também, a aplicação prática do nosso conhecimento adquirido que será retribuído à sociedade sob a forma de prestação de serviços.

6 – O NAL realiza pesquisas e serviços, pode contar um pouco sobre as pesquisas que estão sendo desenvolvidas e a importância delas para a sociedade?

Atualmente nos temos projetos de pesquisa os quais geram resultados que vão desde a ciência básica até a aplicabilidade para a industria, órgãos regulatórios e serviços da sociedade. Entre eles podemos citar: (I) estudo de métodos não-térmicos aplicados em alimentos, (II) processos oxidativos que ocorrem nessas matrizes, (III) avaliação da sobrevivência e desenvolvimento de deteriorantes e patógenos utilizando microbiologia preditiva,  (IV) determinação de contaminantes químicos e biológicos nos alimentos, (V) identificação e caracterização de biomoléculas funcionais, (VI) estudo da estabilidade bioquímica da carne e pescado através de técnicas de proteômicas e metabolômicas, (VII) aplicação de ferramentas de bioinformática para caracterização epidemiológica e molecular de patógenos e (VIII) desenvolvimento de produtos bioativos utilizando nanotecnologia. 

7 – E os serviços? O que o NAL pode fazer e para quem pode fazer?

Nós não pretendemos restringir os nossos serviços a nenhum grupo ou setor específico da sociedade. Toda empresa, pessoa física, instituições de ensino e pesquisa, ou qualquer outra organização seja ela pública ou privada poderá solicitar nossas atividades técnico-científicas voltadas à área de alimentos. No âmbito geral os nossos serviços estão divididos em três principais esferas de análises sendo elas voltadas para a microbiologia convencional e molecular, físico-químicas e análises sensoriais dos alimentos. Especificamente, ofereceremos serviços  voltados para a área da bioinformática para microbiologia molecular, métodos não-térmicos de conservação em alimentos, epidemiologia molecular de patógenos, determinação da validade comercial (shelf-life), detecção de patógenos e fraudes em alimentos, e processos oxidativos nos alimentos.

8 – Por último o que podemos esperar do NAL nos próximos anos?

Nós esperamos conseguir suprir as demandas de todos que necessitem de nossos serviços oferecendo resultados qualificados em nossas atividades técnico-científicas propostas. Também pretendemos reverter parte dos recursos captados para fomentar nossas pesquisas elevando o nível científico em nossos trabalhos, o que contribui com o aumento do reconhecimento da UFRJ como instituição de referência em pesquisa. Nos próximos anos, queremos estar consolidados no serviço de análise de alimentos com o conceito de universidade-empresa-qualidade-sociedade e nos projetar no Brasil como o núcleo analítico e molecular de referência nos setores privado, público e acadêmico.

Para conhecer mais o NAL e suas pesquisas e serviços, acesse o site aqui.

2 comentários em “[Entrevista] Professor Carlos Conte Jr, coordenador NAL

  • Parabéns a equipe pelo excelente trabalho. Não tenho dúvidas da prosperidade de suas atuações, principalmente conhecendo o Coordenador.

  • Acredito que esse serviço que o NAL se propõe realizar seja, não só um avanço científico e tecnológico para comunidade acadêmica, mas também um grande desenvolvimento no controle de qualidade da cadeia alimentar da sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *